sexta-feira, novembro 25, 2011

Travelling light

A preparação de uma viagem é como um prólogo..., a recolha de informação, as leituras e mesmo a escolha da bagagem fazem-nos começar a viajar muito antes de por o pé fora de casa. Eu encaro a coisa quase como um projecto de trabalho. Crio metodologia, escalas de importância e vou cortando, cortando até restar apenas o essencial. Tenho até um pequeno ritual, umas semanas antes de cada viagem espalho tudo o que acho que vou precisar no chão da garagem. Todos os dias, quando chego do trabalho gasto 5 minutos a olhar e rever a escolha. Quase todos os dias tiro algo que realmente não preciso e tomo nota de algo que me esqueci no dia anterior. Viajar com frequência trás algumas vantagens. Vamos coleccionando material e ao fim de algum tempo já temos as opções adequadas para vários tipos de destino. Mas por mais que já tenhamos muito material, há sempre uma coisinha ou outra que precisa de um upgrade. Desta vez aproveitei para renovar o meu kit de cozinha. Não parece mas este pequeno volume tem um fogão, uma panela, uma frigideira, uma botija de gás e umas saquetas de sal e pimenta que gamei no Macdonalds. Cabe numa mão! Outro upgrade que já vinha a adiar há algum tempo é o purificador de água Katadin. É certo que encontramos água engarrafada em quase todos os sítios mas sabe bem ter a opção de encher o cantil em qualquer torneira, poço ou ribeiro e bebe-la de imediato, sem receios e com toda a segurança. Um erro que todos costumamos fazer é levar uma série de coisas que podemos perfeitamente comprar no destino. Há de tudo em qualquer parte do mundo. Seja em que região for as pessoas comem, bebem, vestem-se, lavam-se... e se o fazem é porque têm como. A descoberta de como o fazem é aliás uma das formas mais simples de nos integrarmos num destino e trazer de lá experiências mais ricas. Mas a preparação não é só bagagem, a investigação dos destinos é também uma parte importante para evitar dissabores. O meu passaporte está válido para quase todo o mundo mas não para a África do Sul. Porquê? Porque já não tem duas páginas em branco, e isso seria o suficiente para não conseguir entrar no país e acabar esta viagem antes de começar.

Por mais que estejamos informados, bem equipados e preparados para uma viagem, nunca sabemos exactamente o que nos espera. Há que aceitá-lo, afinal de contas é precisamente essa incerteza, essa vulnerabilidade, essa imprevisibilidade, que nos desassossega e nos leva a partir. Eu estou pronto... acho...

2 comentários:

  1. Grande Carlos! Esta vai ser a primeira viagem sua que eu vou acompanhar... É bom que eu vou aprender um pouco mais! De quantos litros é esta sua mala de garupa? Eu tenho uma de 39 litros, mas estou achando pequena... Abçs!
    Marcio - Campo Grande/MS/Brasil

    ResponderEliminar
  2. Boa V(ad)iagem!

    E inspira-nos a fazer algo semelhante. No meu caso não seria a primeira vez... :D

    Abraço,
    Luís Cabrita

    ResponderEliminar